Parceiros

Em sua trajetória o NUTES firmou convênios de Cooperação Técnica com os seguintes órgãos: Fraunhofer – IESE (Institute of Experimentelles Software Engineering) da Alemanha; FUNDACION TECNALIA RESEARCH & INNOVATION (TECNALIA) – da Espanha; Instituto Nacional de Tecnologia (INT); Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI); Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); Hospital de Trauma de Campina Grande e Hospital Fundação (FAP).

Dentro das competências foram desenvolvidas parcerias com diversas empresas e institutos de desenvolvimento, no Brasil e no mundo.

partner_UEPB_ partner_MS_ partner_Anvisa partner_Fraunhofer partner_CTI partner_paqtpb partner_INT partner_Finep partner_Lifemed partner_Tecnalia partner_MCTI_ partner_Perceptum partner_Intelligentia logo_signove

 

QUEM PODE SER NOSSO PARCEIRO

O credenciamento junto ao Comitê da Área de Tecnologia da Informação – CATI do Ministério da Ciência, Tecnologia e Informação (MCTI) possibilita ao NUTES realizar parceiras com empresas que são ou que queiram se beneficiar dos incentivos fiscais da Lei da Informática. Os projetos contemplam as áreas de ensino, pesquisa, desenvolvimento e inovação em tecnologias.

De acordo com a Lei da Informática para se beneficiarem dos incentivos fiscais as empresas de desenvolvimento ou produção de bens e serviços de informática e automação deverão investir, anualmente, em atividades de pesquisa e desenvolvimento em tecnologia da informação a serem realizadas no País, no mínimo 2,3% do faturamento bruto devem ser aplicados mediante convênio com centros ou institutos de pesquisa ou entidades brasileiras de ensino, oficiais ou reconhecidas, credenciados pelo comitê.

O credenciamento, ocorrido em no início de junho de 2014 foi mais uma importante conquista para o NUTES, que se consolida como centro de referência em pesquisas que possam atender as demandas existentes nas áreas de informática e tecnologias relacionadas à saúde.

Em outra linha, o NUTES pode estabelecer várias parcerias com empresas do setor de saúde para inovação nas seguintes atividades:

  • Análise da qualidade dos produtos desenvolvidos. Em seus laboratórios de Biomédica e Microeletrônica, a NUTES possui uma vasta gama (mais de cem) de equipamentos especializados tais torno automatizado, impressoras 3D, analisadores de gases, analisadores pulmonares, câmeras térmicas e corações artificiais, além de equipamentos em processo de aquisição como tais como Câmera Anecóica e Tomógrafo Computadorizado. Esses equipamentos podem aferir a qualidade dos produtos e indicar pontos de melhoria nos mesmos.
  • Desenvolvimento de produtos. A partir da análise dos produtos, o NUTES possui capacidade instaurada de desenvolver, junto com as empresas parceiras, equipamentos mais eficientes e com menor risco aos pacientes e operadores (isso sem mencionar a redução do custo de produção).
  • Telemedicna. O NUTES já possui experiência comprovada no desenvolvimento de sistemas para auxílio a programas em regiões onde o acesso a informação é precário. Nessa linha, empresas que possuam necessidade de se enquadrarem em programas como o Mais Médicos, que num primeiro momento levou os médicos aos locais menos favorecidos e que deve em breve atuar para levar equipamentos a esses locais, podem contar com a experiência do NUTES nessa área.
  • Interoperabilidade entre Dispositivos Médicos. Existe uma necessidade cada vez maior que os dispositivos compartilhem informação. De acordo com Carel IJsselmuiden, diretor executivo da COHRED, “o potencial da eHealth para melhorar os sistemas sanitários baseia-se em dois pontos: o acesso à informação e o manejo daqueles que trocam informação. A maior parte do trabalho realizado na área focalizou-se no desenvolvimento de tecnologias centradas no paciente, como a telemedicina e, embora esteja claro que é uma prática necessária, considero que tanto a informação manipulada como o uso desta informação são limitados”. Nesse contexto o NUTES atua ativamente nessa linha, atuando no desenvolvimento de produtos de acordo com o padrão de interoperabilidade HL7 e IEEE 11073.